Notícias do mercado imobiliário

Projeto pioneiro de jardins terapêuticos será implantado em policlínicas de Santos

A horta comunitária idealizada em 2019 na Policlínica São Jorge e Caneleira, na Zona Noroeste de Santos, vai se tornar um jardim terapêutico nos próximos meses, com o cultivo de plantas medicinais para beneficiar a comunidade. Atualmente, a unidade de saúde conta com 12 canteiros (sendo quatro acessíveis para cadeirantes), oferecendo berinjela, hortelã, manjericão, entre outros vegetais.

O projeto "Jardins Terapêuticos Santistas" foi apresentado na manhã desta terça-feira (24) pelo médico Luiz Sérgio Passos Alves e pelo engenheiro agrônomo Ricardo Alonso Martello aos secretários municipais Adriano Catapreta (Saúde) e Cristina Barletta (Educação), além do ouvidor municipal, Rivaldo Santos.

"O jardim terapêutico não traz só benefícios medicinais, mas também na parte coletiva", destaca Luiz Sérgio. "Tira o aspecto negativo de doença de uma unidade de saúde". Entre os exemplos dos benefícios de alguns produtos, o capim-limão tem ação sedativa e analgésica; a camomila, efeito sedativo e digestivo.

Outro fator positivo destacado é que, com o uso de produtos do jardim terapêutico, a comunidade que frequenta a policlínica passa a ter acesso a conceitos de uma alimentação mais saudável, com projetos a serem desenvolvidos no local. "A horta e o jardim são espaços de todos e para todos", ressaltou o médico.

Entre os primeiros passos para a criação da horta comunitária na Policlínica São Jorge e Caneleira, o engenheiro agrônomo Ricardo Alonso Martello doou um minhocário para a unidade. O equipamento funciona como um sistema de reciclagem de lixo orgânico caseiro, transformando restos de alimento em adubo. "Este é um projeto em que a comunidade precisa estar integrada para que tenha uma continuidade".

A Policlínica Campo Grande também vai abraçar o projeto "Jardins Terapêuticos Santistas". Na manhã desta terça-feira (24), idosos do projeto Movimente-se com a Música e a Dança plantaram as primeiras mudas no local. O espaço, inclusive, ganhará novos contornos a partir de julho, quando receberá nova pintura e a construção de um canteiro.

Visando o manuseio da terra como forma de interação com o público, a policlínica fomenta a participação popular no projeto. Frequentadores da unidade podem doar mudas e plantas das mais variadas, como espécies medicinais e até temperos. O objetivo da unidade do Campo Grande é incentivar o tratamento terapêutico e a vida saudável.

Camomila, gervão, guaco, boldo, arnica, coentro e hortelã. Opções não faltaram para o pontapé inicial do projeto. A aposentada Nair Passos, de 76 anos, era uma das mais entusiasmadas com a chegada do Jardim Terapêutico.
"As plantas têm vida e, quando as cultivamos, temos uma prazerosa troca de energia. Adorei o projeto. Hoje plantei gervão e hortelã e irei trazer boldo e limão rosa na semana que vem", contou a munícipe.

Quem também participou da inauguração foi a aposentada Luzimar da Silva, de 67 anos. Ex-funcionária de uma floricultura, ela é apaixonada por plantas e comemorou o início das atividades. "Estou em tratamento de um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e encontrar um jardim na policlínica é maravilhoso. Participar de uma ação como essa só nos revigora", concluiu a paciente.

Noticia completa e imagens: https://www.santos.sp.gov.br/?q=noticia/projeto-pioneiro-de-jardins-terapeuticos-sera-implantado-em-policlinicas-de-santos

25/05/2022

Últimas notícias